Lembra?

abr 9, 2017

Não me esqueço de quando o tédio nos atormentava, e nós, dois atormentados, mas, também criativos fazíamos de um nada motivos para risos (eternos).

Éramos mestres em fugir do ócio, PhD’s na suprema arte da molecagem. Dois iguais, semelhantes até no jeito de andar.

Completos até nas frases debochadas, nas brincadeiras espontâneas que faziam de nós amigos além do que a fronteira da amizade permite.

Lembro-me, dos dias que demoravam pra passar. Lembro-me, dos momentos ao seu lado que corriam só de pensar. Lembro-me de você ainda hoje, como me lembro…

Lembro-me dos desabafos citando o fardo pesado da corrida. Entre boas e não tão boas recordações, recordo-me que em meio a tantas promessas e confissões, exigiu-me frente ao mar em que seus olhos navegavam, sob o rolar de uma preguiçosa lágrima, a promessa de que eu jamais partisse de sua vida.

E embora o mundo tenha cantos fantásticos a se explorar prefiro aqui ficar, onde tenho a promessa de um beijo ainda não dado, promessa feita no silêncio de seus olhos, quando, embriagada de fragilidade, desarmada de suas, não tão convictas delimitações sobre as fronteiras de nossa amizade, me pediu enquanto aquela tal lágrima se desfazia rosto abaixo para em meu coração te tornar imortal.

Não me esqueço de quando o tédio nos atormentava, e nós, dois atormentados, mas, também criativos fazíamos de um nada motivos para risos (eternos).

Éramos mestres em fugir do ócio, PhD’s na suprema arte da molecagem. Dois iguais, semelhantes até no jeito de andar.

Completos até nas frases debochadas, nas brincadeiras espontâneas que faziam de nós amigos além do que a fronteira da amizade permite.

Lembro-me, dos dias que demoravam pra passar. Lembro-me, dos momentos ao seu lado que corriam só de pensar. Lembro-me de você ainda hoje, como me lembro…

Lembro-me dos desabafos citando o fardo pesado da corrida. Entre boas e não tão boas recordações, recordo-me que em meio a tantas promessas e confissões, exigiu-me frente ao mar em que seus olhos navegavam, sob o rolar de uma preguiçosa lágrima, a promessa de que eu jamais partisse de sua vida.

E embora o mundo tenha cantos fantásticos a se explorar prefiro aqui ficar, onde tenho a promessa de um beijo ainda não dado, promessa feita no silêncio de seus olhos, quando, embriagada de fragilidade, desarmada de suas, não tão convictas delimitações sobre as fronteiras de nossa amizade, me pediu enquanto aquela tal lágrima se desfazia rosto abaixo para em meu coração te tornar imortal.

Não me esqueço de quando o tédio nos atormentava, e nós, dois atormentados, mas, também criativos fazíamos de um nada motivos para risos (eternos).

Éramos mestres em fugir do ócio, PhD’s na suprema arte da molecagem. Dois iguais, semelhantes até no jeito de andar.

Completos até nas frases debochadas, nas brincadeiras espontâneas que faziam de nós amigos além do que a fronteira da amizade permite.

Lembro-me, dos dias que demoravam pra passar. Lembro-me, dos momentos ao seu lado que corriam só de pensar. Lembro-me de você ainda hoje, como me lembro…

Lembro-me dos desabafos citando o fardo pesado da corrida. Entre boas e não tão boas recordações, recordo-me que em meio a tantas promessas e confissões, exigiu-me frente ao mar em que seus olhos navegavam, sob o rolar de uma preguiçosa lágrima, a promessa de que eu jamais partisse de sua vida.

E embora o mundo tenha cantos fantásticos a se explorar prefiro aqui ficar, onde tenho a promessa de um beijo ainda não dado, promessa feita no silêncio de seus olhos, quando, embriagada de fragilidade, desarmada de suas, não tão convictas delimitações sobre as fronteiras de nossa amizade, me pediu enquanto aquela tal lágrima se desfazia rosto abaixo para em meu coração te tornar imortal.

Gregory Zucolotto

Gregory Zucolotto

Autor

Formado em Analise de Sistemas, atua como Web Designer em horário comercial (e as vezes fora também). Escritor nas horas vagas (ou escritor de boteco, como gosta de se classificar), reúne palavras de uma mente povoada de opiniões sobre tudo. Amante de pensamentos lógicos, tem o hábito de manipular suas emoções através da razão. Composto de uma mistura entre nerd e geek, fã incondicional de HQ’s, filmes e séries.

Comments

comments

Pin It on Pinterest